Vacina da Febre Amarela é dose única e para públicos específicos

A Febre Amarela é uma doença que tem voltado a preocupar os profissionais de Saúde brasileiros, porque ultimamente vem gerando especulações e devido às novas incidências de casos, principalmente no sudeste do país e por ser uma zona em que muitos viajam e se deslocam, gera perigo à população que venha a ser alcançável pela moléstia.    


De acordo com Saara Markia Morais, coordenadora de Imunização da Secretaria Municipal de Saúde – SMS de Pedro II, é preciso informação e entendimento da população sobre o que se trata a respeito da vacinação da Febre Amarela: “Aqui no Centro de Saúde [Hortência Campelo] estamos fazendo a vacinação de segunda à sexta-feira, tanto no horário da manhã quanto no horário da tarde, a gente está vacinando principalmente aquelas crianças de 9 meses de idade a menores de 5 anos, que nunca tenham tomado a vacina, e as pessoas que estão viajando para as áreas de risco, que é São Paulo e Rio de Janeiro, e que também nunca tomaram a vacina, porque a vacina é dose única”. 

Sobre a importância da vacinação e os cuidados que as pessoas devem ter, Saara Markia Orienta que: “A vacina ela não tem essas contraindicações, ela não causa reações. Só é importante o quê: que a pessoa não seja alérgica ao ovo, que a pessoa passe 48 horas sem ingerir bebida alcoólica, e as pessoas que têm mais de 59 anos, que têm que passar pelo médico para ela estar avaliando o risco benefício dela estar tomando a vacina, se ela realmente é necessário ela tomar.

Gestantes e mulheres que estão amamentando não é indicado elas tomarem a vacina”. A respeito da polêmica de que os símios (macacos, saguis, micos, etc.) poderiam ser transmissores da doença, Saara Markia esclarece: “Na verdade a doença é transmitida pelo mosquito, o mosquito contrai o vírus e pica a pessoa, que vai se infectar”.